Ações e FIIs

Quando você decide começar a investir é normal que fique na dúvida entre Ações e FIIs. Na verdade, até mesmo quem já investe muitas vezes se pega nessa mesma questão, já que são opções diferentes e uma não anula a outra.
Mas… Por onde começar? Como escolher investir em um ou em outro? O primeiro ponto decisivo é elencar as principais diferenças entre as modalidades a fim de identificar qual mais se adequa com os seus objetivos com o investimento.
Portanto, se você tem dúvidas como essas, fique com a gente. No artigo de hoje você vai conhecer as principais diferenças entre Ações e FIIs, como investir em cada uma das opções e o que fazer para tomar a decisão final. Boa leitura!

O que são Ações?

As Ações são pequenas frações do capital social de uma empresa que são disponibilizadas aos investidores. Ao adquirir uma ação, você passa a ser sócio da companhia e, assim, ganha o direito de receber parte dos lucros, bem como correr os riscos dos prejuízos.
O principal objetivo do mercado de ações é possibilitar que os empreendedores angariem fundos para que seja possível realizar investimentos na empresa. Sendo assim, este investimento é considerado um dos principais meios para o crescimento da economia do país.
As ações são negociadas na Bolsa de Valores e identificadas através de códigos compostos geralmente por quatro letras e um número. Como por exemplo, TAEE3, TAEE11, e etc.
As letras geralmente correspondem ao nome da companhia (no exemplo acima, Taesa), e os números determinam a que tipo de ações aquele código pertence. Veja abaixo a relação do número final das ações com os seus significados:

  1. Direito de Subscrição – Ações Ordinárias
  2. Direito de Subscrição – Ações Preferenciais
  3. Direito de Voto em Assembléia – Ações Ordinárias
  4. Preferência no Recebimento de Dividendos – Ações Preferenciais
  5. Ações Preferenciais classe A
  6. Ações Preferenciais classe B
  7. Preferenciais Classe C
  8. Preferenciais Classe D
  9. Recibo de Subscrição – Ação Ordinária
  10. Recibo de Subscrição – Ação Preferencial
  11. Certificado de Depósito de Ações – UNIT

No entanto, entre as ações mais negociadas em bolsa estão aquelas terminadas em 3 (Ações Ordinárias – ON) e aquelas terminadas em 4 (Ações Preferenciais – PN). Em seguida, estão as Units, com as siglas terminadas em 11.

Como funciona o Mercado de Ações

Para conseguir decidir entre Ações e FIIs, vamos buscar compreender um pouco mais sobre como funciona esta modalidade de investimento.
Podemos dizer que o mercado de ações começa no momento em que uma empresa decide realizar uma oferta pública inicial (IPO), que é quando a organização abre seu capital e disponibiliza pequenas partes da companhia na forma de ações para investidores.
Normalmente, as empresas realizam esse procedimento para obter recursos para financiar a expansão de seus negócios, como abertura de novas filiais ou até mesmo lançamento de novos produtos.
A partir deste momento, inicia-se o que chamamos de mercado primário. Ele apresenta a transferência das ações proprietárias da empresa para investidores na bolsa que estão comprando estes ativos pela primeira vez.
O mercado secundário é o próximo passo após o mercado primário. Neste momento, já ocorre a negociação de ações da empresa entre os próprios investidores. Ou seja, ninguém mais compra ações diretamente da companhia mas, sim, de outros investidores.
As ações das empresas são disponibilizadas na Bolsa de Valores, que é o local onde acontecem as negociações de compra e venda de diversos tipos de ativos.
Agora que você entendeu melhor sobre o mercado de ações, vamos falar sobre os Fundos de Investimento Imobiliário – os FIIs.

O que são FIIs?

FIIs é a sigla para Fundos de Investimento Imobiliário. É um tipo de investimento de renda variável, tal qual o mercado de ações. No entanto, em vez de se tratar de pequenas frações de empresas, aqui tratamos de pequenas frações de imóveis.
Na verdade, um fundo de investimento imobiliário pode ser definido como um grupo de investidores que se juntam com a mesma intenção: investir no ramo imobiliário. Este investimento também é disponibilizado através da Bolsa de Valores, no formato de cotas, e pode ser acessado por qualquer investidor.
O dinheiro que todos investem no fundo é administrado por um gestor que é responsável por encontrar e fazer os investimentos mais interessantes para possibilitar que o fundo tenha bons retornos.
Geralmente, os ativos adquiridos são os próprios empreendimentos imobiliários, como prédios, shopping centers e galpões logísticos. Tudo isso você fica sabendo no momento que vai analisar e comprar o Fundo Imobiliário.
Além dessas modalidades, os FIIs também podem ter outros investimentos relacionados a imóveis. Como por exemplo, os títulos imobiliários (como as Letras de Crédito Imobiliário ou Certificados de Recebíveis Imobiliários – LCI e CRI) ou até mesmo cotas de outros FIIs.

Podemos dividir os diferentes tipos de FIIs da seguinte forma:

  1. Fundos de Tijolo: São aqueles fundos que possui maior foco em empreendimentos físicos propriamente ditos. Exemplos: shoppings, prédios comerciais, universidades, galpões de logística, etc;
  2. Fundos de Papel: Os FIIs de Papel tem como principal objetivo investir em títulos financeiros relacionados ao mercado imobiliário, como os LCI, CRI, recebíveis imobiliários, ações de outros fundos imobiliários, etc.
  3. Fundos de Fundos: Também conhecidos como FOFs, os Fundos de Fundos são conhecidos por investirem em cotas de outros Fundos Imobiliários, independente se são de tijolo, papel ou até mesmo outros FOFs.

Como funciona a oferta de Fundos Imobiliários?

Para iniciar um Fundo Imobiliário, é preciso que a instituição financeira responsável por ele apresente ao mercado um documento contendo a política de investimento e as diretrizes gerais do futuro fundo.
Se aprovadas as documentações, as principais cotações do FII são executadas dentro do que também chamamos de Oferta Primária do Fundo Imobiliário. Neste momento, todas as cotas emitidas pelo fundo são lançadas ao mercado pela primeira vez e negociadas com os primeiros investidores.
Com a captação de recursos, o gestor do FII passa a adquirir ativos imobiliários de acordo com a política de investimentos que havia sido proposta na documentação inicial. Logo após a abertura do mercado, o fundo será identificado por um código, parecido com o das ações que vimos anteriormente: contendo quatro letras e um número.
A partir de então, os FIIs passam a ser negociados na Bolsa de Valores e podem ser adquiridos por qualquer investidor.

Ações e FIIs: quais as diferenças?

Ambos os investimentos, Ações e FIIs, são negociados na Bolsa de Valores e fazem parte do grupo de investimentos que chamamos de Renda Variável. São investimentos mais arrojados, que envolvem um risco maior do que em relação à renda fixa, por exemplo.
Apesar das similaridades que mencionamos, são investimentos bem diferentes. Vamos ver abaixo os principais pontos que diferenciam um ativo do outro.

Classe de Ativos

A primeira diferença seria a classe de ativos aos quais as Ações e FIIs pertencem. Ao investir em ações, você está investindo em empresas, enquanto ao investir em FIIs, você estará investindo no mercado imobiliário. Um investimento não anula o outro, e você pode ter os dois na sua carteira se isso fizer sentido pra você.

Dividendos

Enquanto as ações pagam dividendos uma ou duas vezes ao ano, os FIIs são conhecidos pelos seus pagamentos mensais. Como os lucros distribuídos pelos Fundos Imobiliários são geralmente provenientes de aluguéis, esse pagamento acaba sendo mais recorrente. Mas isso não quer dizer que é melhor ou pior. Tudo vai depender da sua estratégia de investimentos.

Volatilidade

O mercado de ações é conhecido por ser um investimento bastante arriscado, e o motivo é justamente a volatilidade do preço das ações que interfere diretamente no dinheiro investido. Se tratando dos Fundos Imobiliários, é correto afirmar que são menos voláteis. No entanto, por este motivo também oferecem menor probabilidade de valorização se comparado às ações.

Escala e Crescimento

O mercado de ações tem uma maior escala de crescimento do que os Fundos Imobiliários. Isso porque como os FIIs são basicamente investimentos em imóveis, o lucro obtido por aquele investimento será proveniente daquele imóvel. Se o imóvel estiver com todas suas lojas ocupadas, saberemos qual o teto de lucro daquele investimento. Agora, no mercado de ações, esse crescimento pode ser exponencial, já que não possui essa limitação.

Como escolher entre Ações e FIIs

Agora que você já entendeu a relação e as principais diferenças entre Ações e FIIs, é hora de saber como escolher em qual deles investir. Como já dissemos anteriormente, são investimentos diferentes, portanto um não anula o outro.
Para saber qual o ideal para determinado momento, você deve levar em consideração alguns fatores, como:

  • Qual o seu objetivo com o investimento
  • Por quanto tempo pretende manter o dinheiro investido
  • Aptidão para lidar com a volatilidade
  • Preferência de mercado (empresas ou imóveis)
  • Valor a ser investido
  • Entre outros

A verdade é que somente você poderá decidir em qual investir, pois só você saberá responder às questões acima para identificar a melhor oportunidade. Por isso, não terceirize uma decisão tão importante para a sua vida financeira.
Através de conteúdos simples e as ferramentas certas, você consegue todas as informações necessárias para tomar as melhores decisões

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *